Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

AABB Recife - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela AABB Recife.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a AABB Recife não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a AABB Recife implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar
AABB Recife

Siga-nos!

informativos

PRÓXIMOS EVENTOS

 <<  < Dez 2021 >   >>
DOMSEGTERQUAQUISEXSAB
123
67891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Canto do Poeta | Célio Pereira da Silva

| Fonte:Clécio Pereira da Silva

``É um poema cuja pintura, à DALI, é meio SURREALISTA, de alguém com visão abstrata e inconsistências múltiplas´´.

Janeiro chorava lívido como
O boi errante na hora da morte.
O boi errante chorava a partida
Inesperada da consciência humana.
Em janeiro o pranto é triste e
Selvagem a ação do homem
No abate do boi errante.
Janeiro é o começo da engorda,
O fim das vacas magras e a
Alegria das novilhas prenhas
Que irão se renovar a cada janeiro.
Em janeiro o mugido se fez pranto,
A carne fresca foi ao fogo e nas
Casas humildes a fome foi cada
Vez mais sedenta.
Em janeiro também as flores florescem
Embora a rês se debata no abate.
Janeiro parece com um
Boi morrendo.

Fevereiro é assim:
As formigas inusitadas, de olhos
Arregalados e garras afiadas,
Saem das profundezas para
Destruírem a laranjeira que Nenhuma
laranja vingou Com medo das formigas
(As folhas são tenras e a fome
impiedosa). A laranjeira se despe, fica
esquelética, Irradia tristeza e não mais
faz Sombra para os pássaros azuis e
Verdes e pretos e brancos e ...
Em fevereiro também a agonia Insensata
sai das tocas, O burburinho passa
fechando portas, destroçando corações.
A alegria é vã, passageira e fúnebre.
Em fevereiro eu nasci, às dezoito horas,
No penúltimo dia de um ano bissexto,
Que só acontece a cada quatro anos,
Para viver como laranjeira: perseguido
Pelas formigas da vida, mas brotando.

Março se divide num bem-querer
E malquere esdrúxulo, como as
Estradas, que não dizem a que
vieram (março bate para depois
acariciar).
Em março as estradas da vida são
sinuosas, onduladas e, às vezes, acabam
Na primeira esquina (março engana os
sentidos, e cega os passageiros incautos).
Março parece uma ponte sobre
O céu e, outras vezes, parece um túnel
sob as águas (na verdade março é triste,
mas fala de coisas boas).
Quando março se aproxima as encostas
da cidade tremem com medo, antes que
sejam arrastadas pela chuva arrogante
(conquistá-lo é tão perigoso para o corpo
quanto para a alma, pois dele jamais nos
apartamos).
Em março as rosas são mais vermelhas,
quando vermelhas, mais brancas, quando
brancas ...
Em março as rosas, apesar de disformes,
têm um aroma que toca mais ao coração.

Portal da Associação Atlética Banco do Brasil - AABB Recife
CNPJ: 10.934.610/0001-16

Siga-nos
nas redes sociais.

MAPA DO SITE

ZAITE Tecnologia